Organizar o próximo hackday em Lisboa?
  • Pessoal de Lisboa, para quando o próximo? Aqui vão algumas notas sobre organização de hackdays para que a coisa possa funcionar da melhor maneira.

    Organização e preparação
    Passos imediatos:
    1. Haver um ponto central onde se discutem os pormenores da organização. Para isso podem usar este fio de discussão no fórum.
    2. Decidir uma data. Para evitar os tradicionais "Nesse dia tenho formação, pode ser no dia X?", sugerimos vivamente a criação de um Doodle, que é uma ferramenta óptima para propôr várias opções de datas e avaliar a disponibilidade colectiva para cada uma. Só é preciso que alguém o crie (com uma lista razoável de datas, preferencialmente sábados) e deixe aqui o link, para cada potencial participante poder indicar as suas preferências.


    Responsabilidades
    Para que o hackday possa funcionar sem sobressaltos e terminar com um sentimento de dever cumprido, é importante ter quem possa desempenhar alguns papéis fundamentais:
    • toma-notas: uma pessoa para anotar todos os temas e ideias que estão a ser abordados. Caso existam discussões paralelas, é bom ter alguém designado para tomar notas em cada uma delas. Após o final, é também preciso editar as notas para um formato fácil de ler, em jeito de post de blog. Quanto mais cedo forem publicadas as notas, mais as pessoas mantêm o gás para continuar o que se começou no hackday.
    • poster: alguém dedicado ao trabalho de publicar e difundir o que está a ser feito e discutido no hackday nos vários media sociais -- Twitter, blogs, Flickr, etc. Esta pessoa também pode ter o papel de incentivar grupos de trabalho a publicar rapidamente os seus resultados para que possam ser linkados na comunicação para o exterior.
    • facilitadoras/es: as pessoas responsáveis por assegurar que tudo corre como deve ser e que toda a gente está integrada. Pode dar jeito ter alguém que trata especificamente de dar as boas-vindas e enquadrar novos participantes (e falar com os que estão à margem, para saber se precisam de um empurrão ou se preferem trabalhar sozinhos), alguém para fazer a moderação geral do hackday (apresentar os objectivos, direccionar discussões, coordenar os vários projectos, fazer o balanço final), e alguém que trata da logística geral (comes e bebes, contacto com os proprietários do local)


    Tarefas de preparação
    Para um hackday como deve ser, não é preciso patrocínios nem investimento, desde que a logística seja bem organizada. Antes, é preciso:
    • marcar e confirmar o local do hackday
    • decidir uma data com uma antecedência razoável (2-3 semanas)
    • assegurar as necessidades materiais
    • fazer divulgação atempadamente, online (Twitter, FB, blogs, mailing lists) e offline (panfletos, cartazes, menções em agendas culturais ou outras)


    Alguns pontos essenciais para o local do hackday:
    • Internet sem fios: Se for possível ter ligação ethernet caso a rede fique sobrecarregada, melhor. É importante confirmar com os responsáveis do local se a rede está funcional e se poderá aguentar uma dúzia de pessoas ligadas.
    • Ligações eléctricas: Fundamental, porque nem todas as baterias duram uma tarde. Importa lembrar aos participantes para trazerem a sua extensão elétrica.
    • Switch e cabos ethernet: Caso a wifi não aguente. Normalmente basta ligar o switch ao router/modem da casa, e os participantes ligam-se ao switch; é sempre uma benesse ter alguém no grupo que saiba diagnosticar problemas na rede.


    Elementos que ajudam:
    • Projector: Extremamente útil para fazer demos, mostrar projetos ou exemplos.
    • Whiteboard: Muito útil para fazer esquemas em conjunto.
    • Música: existem várias rádios online perfeitas para hackdays. Nós cá em cima somos fãs da SomaFM e do Jamendo. Caso o local do hackday não tenha sistema de som, é boa ideia trazer um par de colunas.
    • Notas colaborativas: Uma óptima forma de dividir o trabalho de apontar tudo o que está a ser dito e feito (que muitas vezes é subestimado!) é utilizar blocos de notas online que permitem a edição por várias pessoas ao mesmo tempo. Nós gostamos do Etherpad providenciado pela Quadrature du Net, mas também há o PiratePad. Para isto é fundamental ter uma ligação estável à net.
    • Papel e canetas: há sempre algo para anotar, esquemas para fazer, e há sempre alguém que se esqueceu do caderno.
    • Comes e bebes: É um ponto importantíssimo para assegurar o conforto! Pode-se pedir a cada pessoa para trazer o seu, ou então designar no início do encontro alguém para juntar contributos individuais e ir a uma confeitaria ou padaria próxima para providenciar combustível para as mentes ocupadas.


    E o conselho mais importante de todos: keep it simple! É tentador imaginar e planificar plataformas complexas com objetivos ambiciosos, mas muito frequentemente essas ideias não passam do papel e resultam na desmotivação progressiva do grupo. É muito mais gratificante e eficaz delinear coisas simples que podem ser concretizadas numa tarde:
    • uma spreadsheet onde é reunida informação dispersa por vários sítios
    • visualizações simples usando dados de teste
    • maquetes que não funcionam mas permitem ver a estrutura da ideia e como o resultado final vai ser (todos os projectos do Transparência Hackday começaram como maquetes feias e pouco funcionais :-)
    • especificações técnicas para projectos possíveis: o que é, como funciona, exemplos de usos, que meios são precisos e que género de ajuda é necessária para o fazer acontecer


    O próximo passo é, então, alguém se chegar à frente para criar o Doodle com propostas de datas, e continuar aqui a discussão da preparação.

    Agora é convosco! Happy hacking <3
  •    Há dois espaços em Benfica que reunem os pré-requisitos e potencialmente estarão dispostos a colaborar vou tentar entrar em contacto com eles ASAP, podemos apontar para um fim de semana de forma a que eu possa ter uma ideia de que tipo de disponibilidade pedir (o espaço maior frequentemente está ocupado com actividades durante a semana)
        J.
  • Óptimas notícias!
    Nos entretantos, foram trocados alguns bitaites no Facebook* sobre o assunto.

    Quanto a local, também já houve mais uma proposta. Proponho como critério preferencial a localização do sítio -- ou próximo do centro, ou um local com bons acessos de transporte público (metro, bus). Caso haja impasse na decisão, o Doodle também ajuda para fazer votações, mas o pessoal entender-se-à facilmente.
    Quanto a datas: dezembro é um mês complicado e janeiro já está aí à porta. Apontou-se como ideia o dia 23 de fevereiro -- que é o Open Data Day, com hackathons pelo mundo inteiro, e no Porto também já estamos a preparar algo nesse dia.

    * que é uma péssima plataforma para ter discussões que incluam toda a gente, por isso vou deixar lá a nota para se prosseguir aqui a discussão.
  • Estamos a falar de espaços com capacidade para quantas pessoas?

    Em Santa Catarina, perto do Largo de Camões, há um espaço que tem todos esses requisitos, mas duvido que dê para mais de 20 pessoas

    Centro Intercultura e Cidade

    [está aqui o link do local -- ed.]
  • Povo de Lisboa, amanhã o encontro está marcado no chat IRC, canal
    #opendata-pt no irc.freenode.net , ou então usando o cliente web:

    http://transparenciahackday.org/chat



    Caso não possam passar no Porto no dia 23, apareçam no chat! Há muita coisa pra
    fazer e muitas frentes onde qualquer pessoa poderá ser útil.

Olá, Visitante!

Pareces ser recém-chegado. Se te quiseres juntar à discussão, segue um destes botões!

In this Discussion